Dicas importantes para a escolha do seu próximo veículo seminovo

13 de Janeiro de 2017 às 08:00
financiar-um-carro-novo-13
COMPARTILHAR

Enfim, hora de trocar de veículo. Assim como muitos na atualidade, sua escolha será por um veículo seminovo ou usado. Mas na hora da compra, bate aquela dúvida. Será que estou fazendo um bom negócio? Será que não vou me arrepender depois?

Existem alguns pontos a serem analisados no momento da avaliação do veículo, os quais separamos aqui nessa publicação:

  1. Faça uma seleção dos veículos que lhe agradam, modelo, ano, e busque anúncios desses veículos nas lojas da sua região. Faça uma pré-seleção. Preferencialmente, opte por concessionárias da marca do veículo que está procurando, ou lojas que já se tenha um conhecimento que sejam de confiança. Comprar em locadoras também pode ser uma boa opção, dependendo do caso.
  2. Sempre vá avaliar o veículo acompanhado de algum mecânico de sua confiança. Ele vai saber por onde começar a olhar o veículo.
  3. Num primeiro momento, verifique condições dos pneus, estepe, a presença de chave de rodas, triângulo e macaco. Verifique também se os manuais estão presentes e a chave reserva do veículo.
  4. Mecanicamente, cheque o nível de óleo e sua integridade, assim como a água do motor. Ligue o motor, e em marcha lenta verifique o nível de ruído dentro da cabine, assim como a vibração sentida no motor e câmbio. Dê uma volta com o carro para sentir a situação dos freios, se não há folgas, e possíveis barulhos de suspensão, como ele se comporta ao passar em buracos ou ondulações.
  5. Muitas vezes é difícil verificar se o veículo já foi batido. Mas fique atento com relação a diferenças gritantes no tom de pintura de diferentes peças do carro, assim como parafusos sem a tinta da cor do carro em sua cabeça, portas e tampas desalinhadas, faróis com suportes plásticos quebrados ou trincas, frestas maiores que o normal, entre outros pontos visualmente fáceis de se perceber. Muitas vezes o carro pode ter sido batido com avarias de pequena monta, o que não quer dizer que seja um carro ruim, desde que o conserto tenha sido feito de forma correta e com qualidade. Muitas vezes uma batidinha de leve pode ter sido consertada com a troca de todas as peças por novas, e repintura com qualidade, o que não afeta a integridade do veículo. Problema maior são as batidas que tenham afetado parte mecânica, alinhamento de suspensão, entre outros pontos.
  6. Alguns checks básicos, como dos documentos junto ao site do DETRAN do estado de registro do veículo para verificar dívidas e multas, bem como um check pago mais profundo (que envolva dados com relação a sinistros, demais dívidas, informações mais profundas com relação a antigos donos, pendencias judiciais, etc.), são essenciais hoje em dia. Procure informações no manual do proprietário com relação às revisões, se foram feitas de forma correta e nos prazos adequados. Outro ponto que vale a pena levar em consideração antes do fechamento da compra é fazer uma vistoria paga, com laudo atestado, pra garantir que o carro está em perfeito estado conferir numeração de chassis e motor.
  7. Lembre-se: veículos com débitos de multas e de documentação (licenciamento anual), precisam ter as dívidas quitadas antes da transferência, senão a mesma não é autorizada. O prazo para a transferência após a comunicação da venda por parte do vendedor ao DETRAN é de 30 dias.
  8. Com o número de chassis em mãos, é possível consultar em alguma concessionária da marca se o veículo realizou ou tem algum recall pendente junto ao fabricante. É importante salientar que todos os recalls envolvem questão de segurança, e se não tiver realizado o recall, é essencial que agende na concessionária para realizá-lo (recall não envolve custo algum ao proprietário).
  9. Em compras realizadas em lojistas, a garantia para vícios em geral (não é somente motor e caixa como muitos anunciam) é de 90 dias, e está prevista no Código do Consumidor. Já para compras particulares, apesar de poder ser cobrada a garantia, a dificuldade de cobrança é maior, e muitas vezes pode envolver ação judicial para que se resolva o problema.
  10. Principal: desconfie de anúncios muito baratos. Provavelmente a surpresa será bem desagradável.
Fonte: Revista Auto Esporte
COMPARTILHAR