Alternador e bateria: 8 dicas para saber se eles estão com problemas

11 de Agosto de 2017 às 08:00
destaque
COMPARTILHAR

Seu carro não quer pegar, ou simplesmente apagou a elétrica do nada? Não sabe o que pode ter acontecido? Na grande maioria das vezes, é algum problema na bateria ou no alternador, que pode ser diagnosticado de forma rápida.

Tire as dúvidas e saiba qual pode ser o seu problema com essas 8 dicas:

  1. Se, ao dar a partida, o arranque gira o motor com dificuldade ou nem dá sinal (e a intensidade das luzes do painel diminui ou chega a apagar), provavelmente ele está com a bateria descarregada. Bateria descarregada pode acontecer por algum problema no alternador, ou final de vida útil da própria bateria (geralmente duram de 2 a 3 anos). Se as luzes acendem normalmente, e outros acessórios eletrônicos do veículo funcionam, se atente que pode ser problema no motor de partida ou algum fusível;
  2. A lâmpada no painel não apaga? O problema deve estar no alternador ou no seu regulador de voltagem. Verifique também o estado da correia de acessórios, a qual faz ligação entre o alternador e motor. Se ela estiver rompida, o alternador não irá girar e consequentemente não carregará a bateria do eu veículo. Se a luz fica acendendo e apagando, intermitentemente, pode ser somente uma falta de ajuste na tensão da correia;
  3. A luz do veículo está extremamente forte ou você sente algum cheiro parecido com queimado vindo da parte elétrica? Verifique se o regulador está mantendo no limite máximo de tensão durante a carga (geralmente é na casa dos 14,4V). Isso pode fazer com que haja uma sobrecarga na bateria e nos componentes eletroeletrônicos, além de ferver o ácido da bateria dentro de seus vasos, provocando até vazamento na mesma. A tensão que o regulador mantém durante o funcionamento do carro gira sempre em torno de 13,8V a 14,4V;
  4. Se você tem ficado sem bateria na partida, e percebe que a luz do carro tem apresentado variações (fica mais forte quando está acelerando o veículo), é sinal que sua bateria já não está mais aguentando carga. A luz acaba variando pois a alimentação pode estar sendo mantida pelo alternador. Nesse caso, o correto é mandar fazer um teste na bateria;
  5. Uma vez ou outra, raramente, é normal você acabar ficando sem bateria por ter esquecido algo consumindo bateria enquanto o carro estava desligado. Mas, o procedimento de fazer a famosa “chupeta” não pode se tornar comum. Se isso tem acontecido com frequência, provavelmente sua bateria também já perdeu a vida útil. Num teste rápido, medindo a tensão da bateria, ela apresenta algo na casa dos 12V com o carro desligado, próximo dos 14V com ele ligado, e cai para 10V a 11V quando é dado a partida (com alguma certa tolerância pra baixo). Se ao dar a partida, ela já cai para menos de 7V, sua bateria está condenada. Se fizer procedimento de chupeta, somente tome cuidado para não encostar as pontas dos cabos e dar algum curto na elétrica, ou para não ligar os pólos invertidos entre as duas baterias. Mantenha também o outro veículo ligado durante o procedimento, para não forçar a bateria dele;
  6. Verifique fugas de corrente. Muitas vezes a bateria pode estar descarregando devido à um problema em algum acessório do veículo, como equipamentos de som e alarme apresentando curto ou problema eletrônico;
  7. As baterias novas, que são com vasos selados, não permitem um preenchimento de ácido para repor o nível. Dessa forma, existe um visor indicador que irá demonstrar se a bateria está com ácido no nível ou já está seca. Esse visor geralmente fica verde quando a bateria está em sua vida útil perfeita. Se o visor já está preto, se prepare para a troca da bateria em um período breve. Quando o nível do ácido baixa ao ponto de zerar, pode ocorrer colagem das placas, o que inutilizará a mesma (fazendo até com que o veículo para de funcionar em movimento em alguns casos). Sobrecargas ou falta de carregamento podem influenciar na evaporação do ácido;
  8. Ruído no alternador ao acelerar, pode ser sinal de correia muito tensionada, com defeito, ou até mesmo rolamento do alternador defeituoso. Em caso extremo, pode exigir até mesmo a troca do alternador.

Não se esqueça, esses são apenas alguns sintomas de fácil diagnóstico, mas sempre leve o veículo à uma auto elétrica de sua confiança para realizar um diagnóstico mais profundo e realizar o reparo necessário em seu veículo.

eletricista-de-automóveis

Fonte: Blog Mãos Ao Auto / Blog Faz Fácil

Fotos: Divulgação
COMPARTILHAR